ESTUDANDO A MENTE HUMANA-Até que ponto, a mente humana é resultado das nossas vivências ou da influência do nosso cérebro?Parte 1

ESTUDANDO A MENTE HUMANA-Até que ponto, a mente humana é resultado das nossas vivências ou da influência do nosso cérebro?Parte 1

Resultado de imagem para imagens sobre a mente humana

Prólogo

Os filósofos gregos e pensadores ocuparam papéis importantíssimos no estudo da psicologia, tentando entender a mente humana. Sócrates com sua teoria do questionamento lógico, Platão discípulo de Sócrates procurava uma explicação racional do mundo. Aristóteles aluno de Platão acreditava que as idéias e a alma eram imortais.A percepção definida no estruturalismo e desenvolvida pela mente humana é de grande relevância, pois explica a capacidade de selecionar, organizar, e interpretar todas as sensações sentidas e levadas ao cérebro. A mesma é o que faz o ser humano na condição de animal ser mais medroso que os outros, por sua capacidade de prever quais serão as conseqüências no futuro daquilo que eles temem, e pelo fato da parte emocional falar mais rápidamente do que a parte racional. Enquanto os outros animais só adquirem medo naquele dado instante, pois eles não possuem a capacidade de antecipação.Nos últimos mil anos, a humanidade apresentou mais evoluções do que se comparada a outros períodos históricos maiores. A cada dia que passa, novas descobertas fazem com que o ser humano explore ainda mais os limites da memória, da inteligência e da atenção.Entretanto, o que talvez não tenhamos percebido, é que os limites impostos pela mente humana podem ser uma espécie de mecanismo de defesa para o nosso organismo. Assim, estimular contínuamente o cérebro até um ponto acima do esperado pode fazer com que, em algum momento, a humanidade encontre um limite fatal.

Essa é a tese defendida por um novo trabalho publicado no Current Directions in Psychological Science, jornal da Association for Psychological Science. Os autores são Thomas Hills, da Universidade de Warwick, e Ralph Hertwig, da Universidade de Basel.

Para chegar a essa conclusão, os pesquisadores analisaram o desenvolvimento do ser humano ao longo dos anos. Se seguíssemos uma escala progressiva contínua, em tese já deveríamos estar mais avançados em muitos outros campos do conhecimento e no desenvolvimento de nossas habilidades.Contudo, é possível que talvez nunca cheguemos a atingir a capacidade plena do cérebro justamente porque isso seria prejudicial ao nosso sistema nervoso. A dupla toma como exemplo o funcionamento do cérebro de algumas pessoas superdotadas. Índices elevadíssimos de QI podem estar ligados a doenças no sistema nervoso.“Além disso, o uso de drogas estimulantes, como cafeína e Ritalina, pode trazer consequências nocivas para organismo”, explica Hills. Como resultado desse processo, problemas como insônia, stress e hiperatividade passam a ser muito mais prováveis.

www.jornalcidade.net/jcblogs/wp-content/uploads/sites/2/2016/06/MEN..." alt="Resultado de imagem para imagens sobre a mente humana"/>A mente humana é um dos maiores desafios para as ciências e para o pensamento filosófico da nossa época. Já deveríamos saber tudo o que há para saber sobre esse assunto pela simples razão de que somos esse assunto. Porém, parece que nunca sabemos o suficiente sobre o que nos faz sentir e pensar. Como todos os grandes desafios do conhecimento, convém passar por alto o fato desencorajador de  grandes nomes do passado já  terem se ocupado deste tema. No que diz respeito à compreensão do papel da mente humana no universo, somos todos aprendizes. É necessário, pois, olhar com otimismo para esta área do mundo e da vida.

A idéia deste tema surgiu do fato de muitas pessoas não saberem o que é a mente e/ou pensarem que ela é o mesmo que o cérebro. A verdade é que cérebro e mente são duas realidades distintas. O cérebro é, sem dúvida, algo verdadeiramente importante em todos os seres vivos que o possuem. Então, e a mente? Qual é o seu papel? A verdade é que, comparado com o que se sabe sobre o cérebro, o conhecimento da mente é ainda muito reduzido. Muitas vezes, aplicamos a palavra “mente” sem nos apercebermos disso. Será que estamos  utilizando-a corretamente? Se não, afinal o que é a mente? Como se relaciona com o cérebro? Será a mente o resultado do nosso cérebro?

Resultado de imagem para imagens sobre a mente humana
“Embora sejamos todos feitos a partir de um padrão estabelecido, somos completamente diferentes uns dos outros. Há centenas de coisas que te fazem ser diferente de todas as outras pessoas, desde o seu gosto musical e o seu sentido de humor ao som da sua voz e à forma do seu rosto. E como voce se  torna único? Uma parte da resposta está nos seus genes. Os seus pais teriam de ter mais 1 000 000 000 000 000 de bebês para terem a hipótese de ter outro filho com os mesmos genes que voce. Outra parte da resposta está nas experiências que moldam a sua personalidade enquanto voce cresce.”(Robert Winston, 2004)

Cada ser humano é único. Somos todos diferentes. Podemos até ser parecidos fisiológicamente ou psicológicamente com alguém, mas somos totalmente diferentes.Cada um passa por situações únicas, cada um interpreta à sua maneira as suas vivências. Não somos e não podemos ser iguais a outra pessoa. A nossa biologia não nos permite ser iguais a outra pessoa, pois nós, seres humanos, não nascemos humanos.Genética e cérebro preparam o Homem para funções mentais e comportamentos superiores. Contudo, esta disponibilidade inata não é mais do que uma potencialidade para tornar-se humano. Isto significa que nascer Homem não é condição única e suficiente para nos tornarmos humanos. O que nos torna reconhecidamente humanos depende de muito mais do que dessa herança genética e biológica. É fundamental ter em conta as dimensões social e cultural para que possamos compreender os seres humanos e a forma como se comportam. O ser humano distingue-se dos outros animais pela sua capacidade de se adaptar ao meio, transformando-o e reinventando-o através da cultura.

 

Resultado de imagem para imagens sobre a mente humanaSe analisarmos casos de crianças selvagens constatamos que a ausência de interações com outros seres humanos impediu o desenvolvimento das competências linguísticas, cognitivas, afetivas, sociais e culturais. As suas características mostram-nos como dependemos de outros, do contacto físico e socio-cultural com eles, para nos tornarmos os seres humanos que somos, pois quando nascemos só possuímos uma probabilidade de desenvolvermos as características humanas, o que só acontece se tivermos contato com um meio social e cultural humanizado.

A hereditariedade e o meio ambiente controlam o desenvolvimento mental.

O desenvolvimento mental ocorre através de uma interação complexa entre aptidões herdadas e influências externas. Os nossos genes regulam as células nervosas do cérebro para criar milhões de ligações. Mas, as nossas influências externas também influenciam essas ligações.No entanto, não se pode, ou pelo menos ainda não, afirmar com toda a certeza de que a mente seja resultado mais de uma coisa ou de outra. Ainda pouco se sabe acerca da mente e do cérebro, comparado com a sua complexidade, o que dificulta muito o estabelecimento de conclusões que não se pode garantir como certas, porque todos os dias são descobertas novas informações e todos os dias são revistas e reformuladas teorias e conhecimentos.

Será que algum dia vamos saber tudo sobre o cérebro e sobre a mente?

Esta é uma questão que nos assola muitas vezes, mas nós pensamos que será muito difícil acontecer isso alguma vez. Se calhar nunca iremos saber tudo acerca do cérebro e da mente, porque a nossa capacidade de investigação é ínfima comparada com a infinitude de pormenores e potencialidades que ambos têm.

Cérebro e Mente não são a mesma coisa, no entanto, apresentam uma relação de interdependência.

Cérebro e Mente são duas realidades distintas, enquanto o cérebro é condição da mente, a mente não é necessáriamente condição do cérebro.O cérebro é uma estrutura física, é o suporte material da mente. A mente é algo imaterial, não se vê, é um sistema integrador de processos interdependentes e dinâmicos, processos cognitivos, emocionais e conativos.

A mente e o cérebro condicionam-se mútuamente.

A mente deve a sua existência ao cérebro. É o cérebro que nós temos, o tipo de cérebro, que vai influenciar aquilo que a nossa mente é.A forma como o cérebro  vai se desenvolvendo ao longo da nossa vida é influenciada pelo meio em que estamos inseridos, pelas experiências que experimentamos, mas também pelo fato de exercermos a nossa mente.

Cérebro e mente estão assim inter-relacionados, um influencia o outro de forma mútua.

Apesar da grande importância que o cérebro tem para a construção da nossa mente, ele não pode ser visto como o único construtor da mente. Como em todas as construções é necessário haver vários intervenientes, que especializados cada um em sua área, dão origem no final a uma única e coesa construção. A mente é assim construída não só pelo cérebro e por fatores biológicos, como também, como já referimos inúmeras vezes, por fatores extrínsecos a nós. A mente também é resultado das nossas vivências, da nossa experiência diária com o mundo que nos envolve e nos absorve cada vez mais com as tendências do hoje e não do ontem, com as “modas” que criam padrões estabelecidos como normas da sociedade, com o materialismo que tira o lugar ao essencial da vida, à espiritualidade que escapa todos os dias, olhando só para nós e não para os outros.

Resultado de imagem para imagens sobre a mente humanaPorém, a sociedade de hoje em dia, as mudanças comportamentais que foram ocorrendo ao longo dos anos, são resultado também da mente.A mente é um sistema de construção do mundo, pois é a mente que nos faz pensar e nos dá a nossa identidade.É necessário termos presente que é imprescindível estabelecermos uma relação estreita entre processos mentais (privados), comportamento (sua manifestação pública) e estruturas neurais (suporte material).

PictureO poder desta triangulação é soberbo e evidente, pois não podemos dissociar nenhum dos componentes dos outros, está tudo inter-relacionado.Ao longo da história , houve vários investigadores que deram mais ênfase ao componente biológico do ser humano e outros que sobrevalorizaram a dimensão social, cultural. Atualmente, resiste-se a qualquer atitude redutora que relegue a mente para qualquer um dos campos.

 

Resultado de imagem para imagens sobre a mente humanaCONCLUSÃO

A mente humana não é uma “faculdade” isolada , mas uma “atividade” complexa, caracterizada por sua estrutura sistêmica, natureza mediada e origem histórico-social. Sua estrutura sistêmica constitui-se de um conjunto dinâmico de componentes psicológicos (volitivos, cognitivos, afetivos) e regiões cerebrais interconexas, cada uma contribuindo com operações básicas para a realização da atividade como um todo. Seu caráter mediado (semântico) decorre do fato de que as ações materiais do homem são precedidas e acompanhadas por ações mentais, ou seja, por representações simbólicas das coisas, projetos e programas. E em sua origem, a atividade mental é uma reconstrução interna (“virtual”) de operações externas com as coisas e com as pessoas, mediadas por instrumentos e signos, principalmente os da linguagem. Do uso argumentativo destes últimos nasce a capacidade de reflexão e julgamento. Por tudo o que acabamos de expôr,somos forçados a dizer que não podemos atribuir uma maior importância á um dos fatores de construção da mente humana. “Até que ponto, a mente humana é resultado das nossas vivências ou da influência do nosso cérebro?” Essa é uma questão que provávelmente continuará a suscitar dúvidas durante muitos anos ou então a nossa mente é mesmo um resultado equivalente quer de componentes biológicos, quer de componentes sociais e não há mais nada a saber em relação a isso.Vamos investigar nesta série que começamos para descortinar os mistérios e as dúvidas que envolvem esse assunto tão fundamental e fascinante.

CONTINUA….

Mônica F De Jardin

*************************************************************************************************************

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS  QUE SERÃO UTILIZADAS NO NOSSO TRABALHO/SÉRIE SOBRE A MENTE HUMANA

1. Vygotsky L. S. Mind in society: the development of higher psychological processes. M. Cole, V. John-Steiner, S. Scribner, & E. Souberman (Eds.). Cambridge, Harvard University Press, 1978. Luria A. R. Higher cortical functions in man (2 nd ed.). New York, Basic Books, 1966/1980.

3. Anokhin P. K. Problems of centre and periphery in the physiology of nervous activity. Gorki, Gozizdat, 1935.

4. Mesulam M-M. Large-scale neurocognitive networks and distributed processing for attention, language, and memory. Ann Neurol 1990; 28:597-613.

5. Rumelhart D. E., McClelland J. L. Parallel distributed processing. Cambridge, MA: The MIT Press, 1986.

6. Dennet D. C. Consciousness explained. Boston: Little, Brown & Co., 1991.

7. Jackson J. H. On the nature of the duality of the brain. In: Selected writings of John Hughlings Jackson, vol. 2, Hodder & Stoughton, 1874/1932.

8. Rubinstein S. L. Princípios de psicologia geral. Lisboa, Estampa, 1972.

9. Bakhtin M. Marxismo e filosofia da linguagem. São Paulo, Hucitec, 1988.

10. Marx K. & Engels F. Obras escogidas, vol. III. Moscú, Editorial Progresso, 1973.

11. Marx K. & Engels F. A ideologia alemã. Lisboa, Editorial Presença, 1846/1976.

12. Damásio A . O mistério da consciência. São Paulo, Companhia das Letras, 2000.

13. Piaget J. O nascimento da inteligência na criança (4 ª ed.). Rio de Janeiro, Zahar Editores, 1966/1978.

14. Kuhl P. K. Language, mind, and brain: experience alters perception. In: M. S. Gazzaniga (ed.), The new cognitive neurosciences. Cambridge, The MIT Press, 2000:99-115.

15. Gesell A., Amatruda C. S. Developmental diagnosis: normal and abnormal child development (2 nd ed.). New York, Hoeber-Harper, 1954.

16. Leontiev N. A. Problems of the development of the mind. Moscou, Progresso, 1981b.

17. Galperin P. Y. Introducción a la psicología. Moscú: Universidad Estatal, 1976.

18. Luria A. R. Pensamento e linguagem – As últimas conferências. Porto Alegre, Artes Médicas, 1987.

19. Ducrot O. Princípios de semântica lingüística. São Paulo, Cultrix, 1976.

20. Ducrot O. O dizer e o dito. Campinas, Pontes, 1987.

21. Pêcheux M. Análise automática do discurso (AAD-69). In: F. Gadet & T. Hak (Orgs.), Por uma análise automática do discurso. Campinas, Editora da UNICAMP, 1969/1990.

22. Osakabe H. Argumentação e discurso político (2 a ed.). São Paulo, Martins Fontes, 1999.

23. Spitz R. A. Hospitalism: a follow-up report on investigation described in Volume 1, 1945. Psychoanal. Study Child 1946; 2:113-117.

24. Harlow HF. The nature of love. Am. Psychol. 1958; 13:673-685.

25. Kandel E. R., Jessel T. M., Sanes J. R. Sensory experience and the fine-tuning of synaptic connections. In: E. R. Kandel, J. H. Schwartz, & T. M. Jessel (Eds.), Principles of neural science (4 th ed.). New York, McGraw-Hill, 2000:1115-1130.

*

Divulgação: A Luz é Invencível

por: Fatima dos Anjos

http://portalarcoiris.ning.com/

Agradecemos a inclusão deste site em seu compartilhamento.

╚══❘►Venham conhecer comunidade do Portal Arco Íris no facebook o link é:

https://www.facebook.com/PortalArcoIrisNucleoDeIntegracaoECuraCosmi...

 

Exibições: 428

Respostas a este tópico

Complexo estudo sobre mente e cérebro. Obrigada.

Uma bibliografia tão vasta e rica e a nenhuma conclusão definitiva se chegou a respeito da mente, sua interdependência com o cérebro. 

Vamos continuar estudando até que se chegue à conclusões mais plausíveis.

Grata pela partilha,

Marina Moreira

RSS

© 2017   Criado por Fatima dos Anjos.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço