OS ENSINAMENTOS DE SILVER BIRCH SOBRE A VIDA APÓS A MORTE


Silver Birch é o pseudônimo de um índio pele vermelha desencarnado. Certa vez um artista médium o descreveu como um índio nativo-americano de aparência séria, que usava uma única pena na cabeça e tinha olhos compassivos. Evidências sugerem que Silver Birch era simplesmente uma persona que dava forma a uma consciência muito espiritualmente evoluída, que preferia se disfarçar para que aqueles que liam suas palavras o julgassem não por um nome ou perfil que lhe fosse atribuído, mas pela sabedoria de suas mensagens. Silver Birch em inglês é o nome de uma planta, o Vidoeiro-branco ou bétula-branca.

As mensagens de Silver Birch foram psicografadas por Maurice Barbanell, um médium inglês que foi o fundador e editor da revista semanal Psychic News.

A seguir está a tradução do interessante artigo Silver Birch Teaches About ‘Life in the Beyond’, do site The Search for Life After Death.

Maurice Barbanell, um judeu pobre que morava na região de East End de Londres era, segundo relatos, um ateu. O espiritualismo passava por um lento declínio no início do século 20, embora médiuns ainda fizessem suas demonstrações em salas privadas de toda a Grã-Bretanha e EUA. Barbanell tinha apenas 18 anos quando foi convidado por um amigo para uma roda de mediunidade, e participou dela com zombaria. “Mulheres idosas se tornaram homens chineses e todo tipo de coisa!”, declarou com uma risada. Mas o médium o repreendeu com um aviso, “Você vai fazer isso em breve.” Barbanell zombou, mas voltou uma segunda vez, e logo adormeceu, ou ao menos foi o que pensou. Quando acordou, foi informado de que havia estado em transe, de que o espírito que se manifestou deu seu nome e declarou que Barbanell estava treinando há anos e que, “em pouco tempo, estaria falando em casas espiritualistas”.

Assim, a profecia do médium se tornou realidade e a sabedoria de Silver Birch foi introduzida no mundo através de uma publicação chamada Psychic News, embora o próprio médium Barbanell se manteve anônimo como fonte das transcrições mediúnicas que estava produzindo. Em 1938, foi publicada a primeira impressão de “Teachings of Silver Birch”. O livro está, ao menos até a data de 2006, ainda em produção. Todas as citações desse artigo estão contidas neste livro, embora os ensinamentos sejam tão atemporais que é difícil lembrar que foram falados pela primeira vez nos anos 1920 e 30, muito antes das ideias new age se tornarem populares.

Silver Birch se auto denomina um mensageiro da “Lei”, termo que pode ser interpretado como um conjunto universal de verdades que governam a realidade. O nome Silver Birch é um pseudônimo. Como o próprio Birch diz: “Eu tive que vir na forma de um humilde índio nativo americano para ganhar o seu amor e devoção, não pelo uso de um nome grandioso, e para provar-me pela verdade do que ensinei. Essa é a lei.” Tenha Silver Birch realmente já vivido como um nativo americano ou não, ele usa o termo ‘Grande Espírito’ para se referir a Deus muitas vezes no texto.

Assim como em outros grandes canalizadores, como Jane Roberts, por exemplo, os ensinamentos falam por si. Silver Birch, assim comoSeth, não oferece nenhuma prova de sua existência; Não é essa a sua finalidade. Os ensinamentos devem se sustentar por conta própria, independentemente da fonte. Da mesma forma que os ensinamentos surpreendentes de Seth, eu penso que Silver Birch merece ser ouvido, mesmo que não tenhamos nenhum mecanismo para provar suas origens. Como em qualquer ensinamento espiritual, você deve pegar aquilo que é significativo para você.

Silver Birch comenta sobre por que os guias escolhem se comunicar com os humanos na Terra e a luta que eles têm contra as ideias mal compreendidas na religião:

“Nosso trabalho é dar aquilo que, como propósito, traz significado, de modo que, enquanto demonstra a existência da Lei, também permite que o conforto seja dado e o conhecimento seja difundido. Nosso trabalho não é apenas revelar a existência de leis além do físico, mas revelar verdades do espírito. Temos um gigantesco sistema de falsas declarações para nos opormos. Temos de desfazer o mundo de séculos. Temos de destruir a superestrutura de falsidade que foi construída sobre os fundamentos dos credos. Nós nos esforçamos sempre para ensinar aos filhos da matéria como serem livres e como se aquecerem na luz da verdade espiritual.”

Os ensinamentos de Silver Birch são prescientes (revelam o que está por vir), especialmente à luz da divisão e turbulência que nosso mundo está enfrentando. Silver Birch não usa meias palavras. Por exemplo, foi perguntado a Silver Birch se era errado participar de uma caça a raposas. O caçador em questão justificou disparar contra a raposa porque a raposa tinha comido 20 galinhas. A resposta de Silver Birch foi inestimável: “Suponha que eu desse uma arma para a raposa e dissesse para atirar em você porque você comeu 20 galinhas?”

O livro de onde estas citações foram retiradas, “Teachings of Silver Birch”, editado por AW Austin e publicado primeiramente em 1938, é uma grande leitura de modo geral, mas como este é um blog dedicado à pesquisa da vida após a morte, eu fiquei mais fascinado com as descrições de Silver Birch do processo da morte, a entrada no mundo espiritual, e a mecânica da nossa nova vida após a morte. À medida que você lê as perguntas e respostas abaixo, tenha em mente que isso estava sendo produzido em torno do início da segunda guerra mundial. Se você tem conhecimentos sobre experiências de quase-morte, canalizadores, transcrições de regressões entre vidas e outras fontes espirituais mais modernas, observe as semelhanças interessantes que existem com os ensinamentos de Silver Birch.

Grande parte do livro está em formato de pergunta/resposta, por isso vou incluir as perguntas em negrito e as respostas de Silver Birch em itálico.

P: O que exatamente acontece após a morte, logo após a respiração ter encerrado no corpo?

SB: Quando a alma está consciente, vê o corpo espiritual se retirando gradualmente e abre seus olhos no mundo do espírito. Fica consciente daqueles que vieram acolhê-la e está pronta para começar sua nova vida. Quando a alma não está consciente, é ajudada a atravessar a passagem e é levada a algum lugar necessário – pode ser um hospital ou uma casa de repouso – até que esteja pronta para que tome consciência de sua nova vida.

P. Quando deixamos o corpo físico, o corpo que usamos no mundo espiritual é real e sólido como o corpo que deixamos para trás?

SB: Muito mais real e muito mais sólido do que aquele que você deixa para trás no mundo da matéria, pois o mundo de vocês não é o mundo real. É apenas a sombra lançada pelo mundo do espírito. O nosso mundo é a realidade, e você não entenderá a realidade até que você passe para o mundo do espírito.

P. Existem mundos espirituais separados, conectados com todos os planetas habitados?

SB: O que você chama de mundo espiritual é apenas a expressão espiritual do universo, que abrange toda a vida expressa em todos os planos.

P. Existe apenas um mundo espiritual?

SB: Sim, mas com um número infinito de expressões, incluindo a vida em outros planetas além da Terra, assim como o seu mundo da matéria, porque eles têm sua expressão espiritual, bem como sua expressão física.

P: Será possível reconhecer, após a morte, o filho que morreu quando era muito jovem?

SB: Sim, porque para o pai será mostrada a criança como ele a conhecia. As pessoas esquecem que a criança vai reconhecer o pai, pois ela tem estado a vigiá-lo o tempo todo, e será a primeira a cumprimenta-lo quando ele vier ao meu mundo.

P: No mundo espiritual, iremos estar perto daqueles que amamos, embora separados por convenção no mundo físico?

SB: É impossível separar o amor do seu amado.

P: Se é verdade que passamos por inúmeras vidas antes desta, por que não somos mais avançados e ideais do que somos?

SB: Você pode estar no mundo da matéria e ser um santo; Você pode estar no mundo da matéria e ser o mais baixo dos baixos. Não depende do plano terrestre. Depende da evolução da alma.

P: Ainda temos um número infinito de vidas de sofrimento e dificuldade para atravessar no futuro, como no passado?

SB: Sim, Infinito. A luta, o sofrimento, através do cadinho da dor faz o Grande Espírito se expressar. O sofrimento exercita o Grande Espírito. O sofrimento permite que o Grande Espírito interior saia purificado, fortalecido, refinado, assim como o ouro emerge do minério por esmagamento, refinando. Até que tenha passado por estes processos, não é revelado como ouro.

P: Se é assim, qual é a utilidade da ideia de céu após a morte?

SB: O que você considera céu hoje você não vai considerar céu amanhã, pois a felicidade consiste em se esforçar, sempre lutando, para o mais alto e mais alto além disso.

P: Qual é o limite da velocidade de viagem dos espíritos?

SB: Nós não temos nenhuma limitação de tempo ou espaço em nossas viagens. Para aqueles que são experientes na vida espiritual não há limitações. Podemos viajar para qualquer parte do seu mundo da matéria com a rapidez do pensamento, que para nós é a nossa grande realidade. Aqueles que residem em determinado grau são limitados em suas viagens a esse grau. Eles não podem exceder isso. Eles não podem viajar mais alto nos reinos do espírito do que o desdobramento de seu caráter alcançou. Essa é a sua limitação. Mas essa é a limitação do espírito na vida espiritual.

P: É possível pecar do outro lado? Em caso afirmativo, qual é a forma mais comum de pecado?

SB: É claro que é possível pecar em nosso mundo. Os pecados do mundo espiritual são os pecados do egoísmo, mas em nosso mundo eles são rapidamente revelados. Eles são conhecidos assim que o pensamento está na mente, e o efeito é visto muito mais rapidamente do que no seu mundo da matéria. O pecado se inscreve naquele que o cometeu e o torna espiritualmente mais baixo do que era antes. É difícil definir mais claramente em sua língua o que esses pecados são, considere que eles são pecados de egoísmo.

P: São os céus ou esferas do espírito, em comparação com esta Terra, reais e substanciais, governados por chefes sábios, senhores ou deuses? Existe uma história destes reinos celestiais para nós moradores da Terra?

SB: Houve muitos a quem a organização do mundo do espírito foi revelado, mas não temos esferas com chefes. Os únicos chefes são as leis naturais. O mundo do espírito não é um mundo onde as esferas são marcadas com limites como vocês têm. É uma vida progressiva dos estágios inferiores aos mais altos, sem fronteiras, porque os estágios se fundem uns nos outros. À medida que a alma se desdobra gradualmente, ela se expressa nos planos superiores do espírito.

P: O mundo espiritual é tão natural e material para os sentidos espirituais quanto o mundo físico é para os nossos sentidos atuais?

SB: Até mais, para esta realidade. Vocês são atualmente prisioneiros. Você é prejudicado pelo corpo material ao qual você está restrito, em todos os lados. Você está apenas expressando uma parcela muito pequena de seu eu real.

P: Você conversa mentalmente no mundo espiritual, ou a língua é usada?

SB: Até que as pessoas aprendam a comunicar sem falar, a fala é usada.

P: As esferas do país etérico onde você vive cercam a terra, o sol ou os planetas?

SB: Elas não cercam nenhum deles. Não são delimitadas por distinções geográficas. Não estão localizadas em formas de esferas ou planetas. Elas fazem parte do vasto universo. Elas se misturam com todas as fases da vida experimentada em todos os planos. Alguns desses planos você conhece. Outros você ainda não conhece, pois existem planetas nos quais há vida, mas ainda desconhecida para o seu mundo.

Em conclusão, um longo tratado de Silver Birch descrevendo o mundo espiritual:

Silver Birch em “Vida no Além”

Quando você tiver provado e desfrutado com sua plena consciência tudo o que meu mundo tem para oferecer, você vai perceber que é o amor que carregamos por vocês que nos faz voltar a trabalhar entre vocês. Vocês não provaram as alegrias do mundo do espírito. Não há nada em seu mundo de matéria com o qual você possa comparar com a vida do espírito, liberto dos entraves da carne, livre da prisão do corpo da matéria, com liberdade para ir onde quiser, para ver seus pensamentos tomarem forma, seguir os desejos do seu coração, ser liberado dos problemas do dinheiro. Não, você não experimentou as alegrias do mundo do espírito.

Vocês que estão envolvidos na matéria, ainda não compreendem a beleza como ela pode ser. Vocês não viram nossa luz, cores, paisagens, árvores, pássaros, rios, riachos, montanhas, flores – e, no entanto, seu mundo teme a morte.

A morte traz terror em seus corações. Mas você só vai começar a viver quando você estiver “morto”. Agora você vive, mas na realidade você está quase morto. Tantos estão mortos para as coisas do espírito. A pequena força de vida cintila em seus corpos insignificantes, mas nenhuma coisa espiritual pode encontrar qualquer resposta dentro deles. Mas gradualmente nós progredimos. Gradualmente, a força do espírito fica mais forte em todo o seu mundo da matéria.

Gradualmente a escuridão recua, como deve ser quando confrontada com a luz da verdade espiritual. Não há palavras para comparar a vida em seu mundo da matéria com a vida no mundo do espírito. Nós que estamos ‘mortos’ sabemos muito mais da vida do que vocês. Este é o mundo onde os artistas encontram todos os seus sonhos, onde o pintor e o poeta realizam sua ambição. Onde o gênio tem todo o poder de expressão, onde as repressões da Terra são varridas e todos os dons e talentos são usados ​​no serviço uns para os outros.

Este é o mundo onde não há palavras desajeitadas para expressar inspiração, mas onde o pensamento é a linguagem viva e se revela com a rapidez do relâmpago.

Este é o mundo onde não temos dinheiro para nos preocupar, onde não há competição, não há coerção dos mais fracos contra a parede, onde os fortes são fortes porque eles têm algo a dar para os menos afortunados do que eles.

Não temos desemprego, não temos favelas, não temos egoísmo. Não temos seitas, temos apenas uma religião. Não temos livros sagrados, apenas a operação das leis divinas para nos instruir. E quanto mais próximo você chega ao mundo da matéria, mais desajeitado e difícil é para o espírito se expressar. Eu nunca gosto de voltar. As únicas coisas que me fazem fazer isso são a promessa que eu fiz de servir, e o amor de todos vocês, o que me dá uma compensação.

Morrer não é trágico. Viver em seu mundo é trágico. Ver o jardim do Grande Espírito engasgado com as ervas daninhas do egoísmo, da ganância e da avareza, isso é tragédia.

Morrer é desfrutar da liberdade do espírito, que foi aprisionado atrás das barras do corpo material. É trágico ser libertado do sofrimento, para que a alma seja ela mesma? É trágico ver maravilhas de cores, ouvir música que não pertence à expressão material? Você chama de trágico expressar-se em um corpo que não tem dor, ser capaz de transitar por todo o mundo da matéria em um piscar de olhos e provar as belezas da vida espiritual também?

Não há no seu mundo um artista capaz de capturar com suas pinturas algumas das glórias do meu mundo. Não há um músico que poderia gravar algumas das glórias da esfera da música dentro de suas notas. Não há um escritor que possa descrever em palavras físicas a beleza de partes deste mundo.

Que agradável surpresa vocês terão um dia, quando vocês se tornarem conscientes de nosso mundo. Seu mundo está em fluxo de beleza (a sessão foi realizada no início da primavera). Vocês vêem ao seu redor as manifestações do Grande Espírito, à medida que a aurora da vida se infiltra novamente em seu ambiente e se maravilham com a beleza da flor e da fragrância das flores e dizem: “Quão grande é a obra do Grande Espírito”. E, no entanto, o que você vê é apenas um reflexo muito, muito, pálido das belezas que temos em nosso mundo de espírito. Nós temos flores como você nunca viu, nós temos cores tais como seu olho nunca viu, nós temos paisagens e florestas, nós temos pássaros e plantas, nós temos córregos e montanhas. Você não tem como compará-los a nada. E você será capaz de aprecia-los, mesmo que você seja um fantasma, você será real.

Você vem para o nosso mundo agora, mas você não se lembra. Você visita o mundo espiritual todas as noites. Essa é a sua preparação. Caso contrário, seria um choque quando você viesse aqui para começar a sua vida real. Quando você fizer a passagem, você vai se lembrar de suas visitas.

Você será então libertado da limitação do corpo e você será capaz de expressar ao máximo toda a consciência que foi liberada durante o seu sono. Em sua nova manifestação, isso trará para você todas as memórias que você tem, as memórias de todas as experiências que você tem desfrutado.

Maurice Barbanell e Silver BirchO médium Maurice Barbanell e a psicopictografia de Silver Birch pelo artista francês Marcel Poncin

http://www.melhorconsciencia.com.br/2017/02/os-ensinamentos-de-silv...

Exibições: 412

Respostas a este tópico

Gratidão infinita!

Gratidão Manuela ,lindooooo o que publicou 

Adorei a mensagem. obrigada.

RSS

© 2017   Criado por Fatima dos Anjos.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço