PENSAMENTO QUOTIDIANO - 29.12.2015

Vós estais sozinhos no vosso quarto e, entre aquelas quatro paredes estais fisicamente separados, afastados do mundo inteiro.
Mas, pelo pensamento, podeis ir além dos limites daquela divisão para vos estenderdes num espaço cada vez mais vasto: a vossa casa e a cidade de que a vossa casa faz parte.
Depois, tomai consciência também de que a vossa cidade faz parte de uma região, essa região de um país, esse país de um continente, esse continente, da terra.
Habituai-vos a fazer este exercício.
E a terra faz parte dos planetas do sistema solar.
O sistema solar, por seu lado, faz parte de uma galáxia e essa galáxia é uma pequena parcela do cosmos...
Então é prodigioso: estais sozinhos  no vosso quarto e, ao mesmo tempo, estais no cosmos!

E, como sois um ser cósmico, por que haveis de limitar-vos?
Podeis abrir a vossa alma dizendo para vós próprios que tendes trabalhos cósmicos para fazer...
Para isso basta mudar o vosso ponto de vista e ter consciência de que, como viveis no universo, estais ligados a ele.
A Alma Universal sustenta a vida em todas as criaturas, alimenta-as, sacia-as: elas recebem continuamente algo dessa abundância.
Então, por que não havemos de inspirar-nos nessa generosidade esforçando-nos por partilhar com os outros tudo aquilo que possuímos: a beleza, a inteligência, a riqueza, um dom artístico, o saber?
Nunca esqueçais que existe uma ligação entre o mundo de baixo e o mundo do Alto: quando fazeis alguma coisa aqui em baixo, na terra, provocais algo de idêntico no Alto, no Céu.
De uma maneira ou de outra, aquilo que dais ser-vos-á retribuído um dia, ao passo que o que guardais para vós é parcialmente perdido, não beneficiareis disso tanto quanto aconteceria se o désseis.

Quando sentis alegria, quando sentis amor, confiai-os também ao Senhor, à Mãe Divina, para que Eles os utilizem para o bem de outras criaturas.
Será assim que essa vossa alegria e esse vosso amor serão conservados.

OMRAAM  MIKHAËL  AÏVANHOV
Mesmo que estejais absolutamente convencidos do fundamento do vosso compromisso espiritual, por vezes sentis-vos fatigados, saturados, ao ponto de começardes a duvidar.
Perguntais-vos se todos os esforços que fazeis para a superação de vós mesmos valem realmente a pena e ficais tentados a abandonar tudo.
Pois bem, é nesse momento que deveis estar vigilantes.
Procurai sobretudo antecipar as decepções que vos esperam se voltais para trás.
Dizei para vós próprios: «Bom, neste momento estou um pouco cansado, não tenho vontade de continuar, mas isto passará em breve; entretanto, não devo desistir.»

Na Natureza, depois da primavera vem o verão, depois o outono, depois o inverno e, após o inverno, surge de novo a primavera.
No ser humano também há ciclos, estações do ano.
Deixai então, passar esse inverno em vós, conscientes de que as coisas ficarão melhor.
É assim que se deve raciocinar.
Nunca abandoneis o caminho da luz, pois arriscais-vos a lamentar isso um dia, e então será muito mais difícil voltar a encontrá-lo.


O inverno começa no momento em que o Sol entra na constelação do Capricórnio, que é um signo de terra.
Simbolicamente, o Capricórnio está ligado aos cumes, aos picos rochosos, mas também às cavernas profundas, às grutas que se abrem nas entranhas da terra, onde lentamente se formam os cristais e as pedras preciosas.
Esta imagem das entranhas da terra merece ser meditada, pois instrui-nos sobre a analogia que existe entre a terra e o ser humano.
Com efeito, é nas entranhas que a mulher traz e forma o seu filho.
E é também nas entranhas, no Centro Hara*, que o Menino-Cristo deve formar-se um dia, em cada um de nós.

Durante o resto do ano, a Natureza está em grande actividade, mas, com o aproximar do inverno, os dias diminuem, as noites ficam mais longas, muitos trabalhos param: o momento é de recolhimento, de meditação.
Esta apaziguar de toda a Natureza convida-nos a penetrar profundamente em nós a fim de prepararmos as condições para o nascimento do Menino Divino.

* Centros e corpos subtis - aura, plexo solar, centro Hara, chacras...
  Colecção Izvor nº. 219, cap.IV: «O centro Hara».

A vida quotidiana é difícil, impõe grandes tensões: nas famílias, no trabalho, na sociedade, os humanos são obrigados a comprimir neles uma grande quantidade de energias para suportarem e fazerem face a tudo o que se exige deles!
E precisam de libertar essas energias de vez em quando.

Os Iniciados compreenderam bem isso.
É por essa razão que, desde um passado muito longínquo eles instituíram festas populares em certos momentos do ano que correspondem a configurações astronómicas.
Mesmo a maior parte das festas cristãs são o que sobreviveu, sob outra forma e com outro significado, de festas pagãs.

Com o aproximar das festas, organizam-se as comemorações: reúnem-se comes e bebes, preparam-se decorações, roupas de festa ou até disfarces.
Mas os Iniciados promoviam estas festas também com outro objectivo: queriam estimular os humanos a procurar, em regiões mais subtis, energias para regenerarem e vivificarem o seu coração e a sua alma.
Nesta atmosfera de trocas alegres, benfazejas, as entidades luminosas vêm captar energias que depois utilizam para continuar o seu trabalho pelo mundo.
Quereis ajudá-las nesse trabalho?
Confiai-lhes vós mesmos, conscientemente, a vossa alegria, toda a riqueza espiritual que uma festa vos proporciona, para que outros beneficiem dela.
Essa alegria, essa riqueza, voltarão a vós amplificadas.

OMRAAM  MIKHAËL  AÏVANHOV

Prossegui o vosso trabalho com convicção, sem vos preocupardes com o tempo de que necessitareis para realizar o vosso ideal divino.
Vós tendes as chaves, tendes os poderes.
Todas essas vozes interiores que vos encorajam - «Ergue-te! Caminha para a Luz!» - representam um capital acumulado já há muito tempo, graças aos esforços que fizestes.
Essa necessidade que sentis de avançar no caminho da Sabedoria, do Amor, da Verdade,  é o resultado desses esforços.

E o que é que acontece quando realizais um progresso, por mínimo que seja, no plano espiritual?
Há em vós forças dispersas, não organizadas, adormecidas há milénios, que despertam como se respondessem a um apelo.
Assim, subitamente, apercebeis-vos de que sois habitados por um verdadeiro exército que estava à espera de ser mobilizado para vir em vosso auxílio.
Analisai-vos bem: no momento em que conseguis obter um sucesso, descobris a presença em vós de forças de que não suspeitáveis.
OMRAAM  MIKHAËL  AÏVANHOV

 A semente posta na terra contém toda a árvore em potência.
Numa semente, ninguém pode discernir onde estão as raízes, o caule, e ainda menos as folhas, as flores, os frutos, contudo eles irão aparecer.

A semente está sob a influência do arcanjo que preside ao inverno, Gabriel, que condensa e solidifica os elementos.
Ela é posta na terra no momento mais sombrio e mais frio do ano, e Gabriel transmite-lhe a memória da hereditariedade, os genes que mantêm as suas características de uma geração para outra.
O arcanjo Gabriel introduz e condensa todas as particularidades e virtudes da planta nesse corpo minúsculo que contém todo um futuro em potência.
E ele age do mesmo modo com as sementes dos animais e dos humanos.
Cada geração conserva nos seus cromossomas todos os caracteres próprios: a memória não se perde.

OMRAAM  MIKHAËL  AÏVANHOV
Cada um de nós traz em si mesmo gerações de seres humanos dos quais é descendente.
Por isso, quando conseguis vencer as vossas fraquezas, levais essa família que habita em vós para o caminho da luz e da libertação.
Mas não fazeis bem somente a todos os vossos ascendentes, fazei-lo também aos vossos descendentes,, pois transmitis-lhes as riquezas interiores que adquiristes.
Eis mais uma dimensão da vida interior que é bom conhecer.

Trabalhar sobre vós mesmos é ainda mais importante na medida em que, ao fazê-lo, se melhora gerações inteiras, pois transmite-se-lhes os frutos dos seus esforços.
Ninguém vive ou age somente para si, cada um vive e age para um grande número de outras criaturas em relação às quais tem grandes responsabilidades.

OMRAAM  MIKHAËL  AÏVANHOV
Mostrai-vos sempre reconhecidos pela vida que recebestes de Deus, essa vida que vos permite descobrir tantas riquezas.
Agradecei pela felicidade que é terdes saúde, uma família, amigos...
E pensai também em todos os maus encontros, em todos os acidentes que podem ocorrer ao longo do dia e aos quais escapastes.
Quando terminais sãos e salvos um trajecto de automóvel, pensais em agradecer ao Céu?
Podem ocorrer tantos acidentes na estrada e por vezes escapa-se por tão pouco!

Ao pronunciardes a palavra "obrigada", é como uma fonte de luz, de paz e de alegria que fazeis jorrar na vossa alma.
E essa fonte inunda todas as vossas células.
Pouco a pouco, sentis que algo em vós se vivifica, se fortalece, se ilumina.
E assim, quando tiverdes de enfrentar grandes provas, não só as aguentareis como sereis capazes de continuar a agradecer.
Nunca esqueçais: a capacidade de agradecer nas provações ajuda-vos a superá-las.

 Por mais pequena que seja, uma pedra preciosa é uma partícula de matéria capaz de reter uma força cósmica.
Mas vós não deveis contar com ela pensando que ela vai proteger-vos, curar-vos, dar-vos poderes, abrir-vos as portas do mundo espiritual; se não souberdes como considerá-la e utilizá-la, ela não vos servirá de nada.

As pedras preciosas estão preparadas pela Natureza para captar certas energias do Cosmos e projectá-las, difundi-las.
Mas não basta possuí-las para beneficiar das suas virtudes.
Cada pedra é semelhante a uma antena e, tal como a uma antena, é preciso dar-lhe uma função, mensagens para transmitir.
Por detrás desta pedra existem forças que giram, que vibram, mas cabe-vos a vós fixá-las, orientá-las, a fim de as tornardes úteis ao vosso trabalho.

OMRAAM  MIKHAËL  AÏVANHOV


O triângulo com o olho no centro é um símbolo muito presente no cristianismo e em certos movimentos espirituais.
Ele representa o olho de Deus que vê tudo.
Isso não significa, como alguns acreditam ingenuamente, que Deus está ocupado a anotar todas as acções boas ou más dos humanos para depois os castigar ou os recompensar.
Esse olho de Deus, na realidade, está no próprio homem e, se ele for capaz de sentir esse olhar que «penetra no íntimo», como refere a Bíblia, avançará no caminho da luz sem risco de se perder.
Enquanto a consciência espiritual de um ser não está suficientemente desenvolvida, esta vigilância é necessária e salutar.

Na vida corrente, aquele que está consciente dos seus deveres não precisa de ser vigiado, até trabalha melhor se se sentir livre.
Mas, no plano espiritual a que estamos a referir-nos, para não ser necessária a vigilância do olho de Deus, o ser humano deve ter atingido um grau de desenvolvimento muito elevado, e em particular deve ter adquirido a plena consciência da importância da obra cósmica na qual participa.
Enquanto ele não tiver atingido um tal grau de consciência, esta vigilância é a sua salvaguarda, e ele deve não só aceitá-la, mas solicitá-la.

OMRAAM  MIKHAËL  AÏVANHOV

Vós podeis permanecer jovens mesmo quando chegais ao fim da vossa existência, se tiverdes compreendido o que a vida é realmente: uma transformação contínua, uma adaptação.
Para a ciência espiritual, não existem jovens, não existem velhos, mas apenas seres cuja tarefa é trabalhar sobre si mesmos para manterem e intensificarem a vida neles.

Ninguém deve dizer: «Os anos passaram, eu estou velho, já não posso fazer esforços.»
Quem pensa que pode justificar a sua inércia com a sua idade diminui o número de dias que ainda lhe restam para se regozijar, pois constrói em si mesmo a imagem da velhice e essa imagem age muito negativamente também sobre o seu estado psíquico.
Pelo contrário, ele deve concentrar-se na juventude, esforçando-se por aprender sempre algo de novo para permanecer aberto à vida, pois é isso a juventude, a verdadeira juventude.
Com os anos, é evidente que o corpo físico perde o seu vigor, a sua resistência, mas, mesmo no momento da morte, um olhar, um sorriso, podem ainda ter a expressão da juventude.

OMRAAM  MIKHAËL  AÏVANHOV
A questão da castidade, da continência, é geralmente mal posta pela religião.
Porquê?
Porque, na realidade, o acto de amor não é em si bom nem mau: é simplesmente o que o homem e a mulher são capazes de fazer dele.
Se eles não trabalharam sobre si mesmos para se purificarem, para se enobrecerem, para se iluminarem, por intermédio desse acto transmitirão ao parceiro certas influências nocivas.
O amor verdadeiro deve melhorar tudo no ser que amais, deve elevá-lo, reforçá-lo, iluminá-lo.
Se esse amor depois  se expressar fisicamente, isso é secundário.
Pode-se amar alguém sem nunca lhe tocar e, ainda assim, envenenar esse ser com o seu amor.

Vós só tendes, pois, uma questão a colocar a vós próprios para ajuizar sobre a qualidade do vosso amor: graças a ele, o ser que amais cresce interiormente?
Se ele enfraquece, se ele perde a alegria de viver, questionai-vos acerca do que fizestes para estragar essa criatura.
Deveríeis tê-la cultivado como uma flor num jardim e não tendes razões para vos sentirdes orgulhosos convosco.
Por isso, só vos resta procurar uma maneira de reparar os vossos erros.
O vosso amor deve fazer crescer um ser.
Só quando vos apercebeis de que ele cresce interiormente por causa do vosso amor é que podeis regozijar-vos e agradecer ao Céu.

OMRAAM  MIKHAËL  AÏVANHOV


Exibições: 390

Respostas a este tópico

Gratidão Sempre!

Lindas e sábias palavras. obrigada.

Gratidão/

Feliz 2016.

RSS

© 2017   Criado por Fatima dos Anjos.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço