PENSAMENTO QUOTIDIANO - 26.03.2016
Natal e Páscoa: o nascimento de Jesus, festejado no início do inverno, e a sua ressurreição, festejada na primavera, representam duas páginas do grande livro da Natureza.
Aqueles que fixaram as datas destas festas, há muito tempo, eram seres com um grande con hecimento das relações que existem entre a natureza e a alma humana.
Eles tinham meditado profundamente na vida de Jesus e no seu ensinamento e compreenderam que, quando alguém se identifica com o princípio cósmico do Cristo, dá-se um encontro ideal nele, entre a vida espiritual e a vida da natureza, a vida do Universo.

Ao querer diferenciar-se o mais possível do paganismo, que se caracterizava pelo culto das forças da natureza, o cristianismo cortou as ligações vivas com o Universo.
Por isso, ainda hoje os cristãos desconhecem o sentido profundo da sua religião.
Só alguns Iniciados, porque conhecem a verdadeira ciência dos símbolos, vêem  no nascimento e na ressurreição de Jesus processos ligados à vida cósmica e que, por isso, têm uma dimensão universal.


OMRAAM  MIKHAËL  AÏVANHOV
 Ao aceitar morrer na cruz, Jesus fez um sacrifício sobre o qual nós devemos meditar, a fim de termos a noção de toda a sua grandeza e de nos associarmos a ele pelo pensamento.
Mas, na nova vida que o Cristo agora nos propõe, não é preconizado deter-se no suplício da cruz, pois o Cristo manifesta-se também por intermédio da luz, da beleza, da alegria.
Na nova cultura, é o pensamento da glória do Cristo que deve alimentar a nossa vida interior.
O Céu regozijar-se-á, vendo que nós deixámos de beijar o pó e de nos ajoelhar diante dos túmulos, pois destinou para nós um futuro mais grandioso.

Os mortos de que devemos ocupar-nos não são os dos cemitérios, mas os que estão enterrados no nosso foro íntimo: os nossos velhos hábitos, as nossas velhas concepções erradas.
São esses mortos que nós devemos procurar, para acabarmos com eles.
Quando o conseguirmos, entraremos, nós também, na glória do Cristo.


OMRAAM  MIKHAËL  AÏVANHOV

A água contém grandes mistérios e alguns desses mistérios estão ligados ao sangue.
Entre a água e o sangue existem certas analogias, e não só entre a água e o sangue, mas também entre a água, o sangue e a luz.
A luz do sol, que é o seu sangue, é também uma forma de água, uma forma superior de água.
E quando, durante a última refeição que tomou com os seus discípulos, Jesus disse: «Aquele que come da minha carne e bebe do meu sangue tem a vida eterna», o sangue a que ele se referia é a luz que vem do sol.


Como a água faz parte da vossa existência quotidiana, pensais que a conheceis.
Não, só conheceis alguns dos seus aspectos e algumas das suas utilizações.
Mas, no dia em que conseguirdes pensar na água e senti-la como sangue e como luz, nesse momento, e só então, conhecê-la-eis e sabereis como utilizá-la para o vosso trabalho espiritual.


OMRAAM  MIKHAËL  AÏVANHOV

PENSAMENTO QUOTIDIANO - 23.03.2016

Por certo, já passastes pela seguinte experiência: estáveis ocupados com tarefas da vida quotidiana, sem pensar em nada de concreto e, subitamente, sentistes como que uma corrente, uma presença perto de vós, algo vivo que vos trouxe uma luz, uma paz, uma alegria.
E então, o que fizestes?...
Em momentos desses, parai qualquer ocupação para vos concentrardes nessa visita inesperada.
São instantes raros e preciosos que não se deve deixar passar sendo negligente.

Muitas vezes, há visitantes celestes que vêm instruir-vos e enriquecer a vossa vida..
Se não vos esforçardes por recebê-los quando eles se apresentam, acabou-se!
Depois, bem podeis procurar, suplicar que eles não voltarão.
Ou então voltarão, mas quando?...
É preciso aprender a reconhecer de imediato esses visitantes e retê-los durante o máximo de tempo possível, pois logo de seguida já não tendes a menor ideia daquilo que eles vinham trazer-vos.
Demorai o tempo necessário para vos tornardes conscientes daquilo que representam as visitas celestes: elas deixarão em vós uma marca indelével.


OMRAAM  MIKHAËL  AÏVANHOV
Um jovem pôs entre as páginas de um livro a flor que lhe deu a sua amada.
É claro que, pouco tempo depois, as pétalas perderam a vitalidade e ficaram descoloridas, mas o que importa isso?
Sempre que ele olha para aquela flor, parece-lhe que a sua amada lhe sorri e lhe diz mil coisas através dela.
Ele aperta a flor contra o coração, pousa nela os seus lábios, ela é como um talismã que lhe abre as portas do céu e ele vive cheio de alegria, sente-se inspirado, torna-se poeta.
Mas o tempo passa e as relações com essa jovem já não lhe parecem tão ideais: agora, ele mal nota a flor entre as páginas do livro; esta já não lhe diz nada, é como se tivesse ficado muda.
E, um dia, ele acaba por pô-la no lixo.
Então, o que se passou?
A flor continuava lá, não tinha mudado, mas o rapaz, sim, mudara.
Ele é que fizera daquela flor um talismã.
E foi ele que lhe retirou o poder.
A conclusão atirar deste exemplo é que, por si mesmo, um objecto é indeterminado; é a nossa maneira de o considerar que pode fazer dele um talismã.
OMRAAM  MIKHAËL  AÏVANHOV

PENSAMENTO QUOTIDIANO - 21.03.2016

Ao longo de um ano, o sol passa por quatro pontos cardeais chamados solstícios e equinócios, e cada um marca o início de uma estação.
Estes quatro pontos cardeais são como nós de forças cósmicas e, nesses períodos, há novas energias que se derramam no Universo.
Mas não é pelo facto de se repetir todos os anos que a renovação destas forças se faz automaticamente, mecanicamente.
Não, todas essas mudanças são produzidas pelo trabalho de entidades que estão encarregues de se ocupar das pedras, das plantas, dos animais e dos humanos.
Deste modo, cada estação está sob influência de um arcanjo: Rafael preside à primavera, Uriel ao verão, Miguel ao outono e Gabriel ao inverno.

Portanto, é o arcanjo Rafael que reina na primavera.
Ele está à cabeça de miríades de espíritos com os quais trabalha para a regeneração e o crescimento da vegetação.
Desde o começo da primavera, vós podeis, pois, ligar-vos ao arcanjo Rafael: pedi-lhe que vos torne receptivos às virtudes ocultas das árvores, das ervas e das flores, para que a nova vida possa circular também em vós.


OMRAAM  MIKHAËL  AÏVANHOV

PENSAMENTO QUOTIDIANO - 20.03.2016

Embora sendo plantadas no mesmo solo e beneficiando das mesmas condições de temperatura, de humidade, e dos mesmos cuidados, certas árvores produzem flores com cores cintilantes, perfumes requintados, frutos deliciosos, ao passo que outras só dão flores de cores baças, sem cheiro, e frutos intragáveis.
Podemos fazer as mesmas observações em relação aos humanos.
Por isso, quando se afirma que são a família, a sociedade, os acontecimentos, que determinam o seu destino, os seus sucessos ou os seus insucessos, a sua elevação ou a sua queda, isso só é parcialmente verdadeiro.

Na realidade, o que cada um viverá depende, antes de tudo, da natureza da "semente" ou do "caroço", que ele representa, isto é, da sua maneira de pensar, de sentir os acontecimentos, de os assimilar e até de agir sobre eles e de os transformar.
Por isso, se vos encontrardes em condições difíceis, em vez de vos queixardes e de reclamardes condições melhores, começai por trabalhar sobre vós mesmos.
Cavai profundamente: encontrareis em vós forças, virtudes, graças às quais dareis os frutos mais suculentos.


OMRAAM  MIKHAËL  AÏVANHOV

PENSAMENTO QUOTIDIANO - 19.03.2016

Muitas decepções esperam todos aqueles que imaginam que, quando se empenham na via da espiritualidade, ficarão rapidamente libertos de todos os seus males.
Eles estão no bom caminho, mas estar no bom caminho não significa que se chegou ao fim.
Por um lado, é verdade, certos tipos de sofrimento desaparecem, à medida que eles fazem esforços para se purificar e viver em harmonia com o mundo da luz.
Mas, por outro lado, as consequências das transgressões que eles cometeram nesta vida ou em vidas anteriores não serão imediatamente apagadas.
Por isso, não devem admirar-se se, apesar da nova orientação que tomaram, ainda têm de passar por certos sofrimentos.

Para simplificar, podemos dizer que as boas acções dos humanos se acumulam num reservatório e as suas más acções num outro: pelas más acções, eles devem ser sancionados e, pelas boas acções, são recompensados.
Qualquer que seja a sua orientação actual, eles passam, pois, por acontecimentos e estados psíquicos ou físicos que são as consequências mais ou menos longínquas do seu comportamento passado.


 
Com o aproximar da primavera, sente-se toda uma vida a despertar: as flores, as árvores, as aves...
Na natureza, é uma nova vaga que se espraia.
Eis um dos fenómenos mais extraordinários que há: a renovação que acontece na primavera.
Em cada ano, tudo se renova... excepto os humanos!
Os humanos continuam a ser os mesmos, não pensam em pôr-se em sintonia com essa renovação, dir-se-ia que eles estão fechados em si mesmos.
Por que é que não fazem o esforço de se abrir, de abrir neles as portas e janelas, para que essa vida possa penetrá-los, impregná-los?
Alguns dirão: «Para nós acabou-se!
Já estamos velhos.
A primavera é para os jovens.»
Ao raciocinarem assim, eles cortam a ligação com as fontes da vida e envelhecerão cada vez mais depressa.

Tudo deve alinhar com esta renovação, não há nisso diferença entre os jovens e os velhos.
Já alguma vez ouvistes árvores dizerem: «Oh, sabe, nós já passámos da idade de florir e ficar de novo verdes.
Agora, deixamos isso para as árvores jovens.»?
Não, também elas, na primavera se cobrem de folhas e flores.
Portanto, mesmo as velhas avós e os velhos avôs devem entrar na roda da primavera, saltitar, dançar - pelo menos simbolicamente -, e sentir-se-ão melhor.


OMRAAM  MIKHAËL  AÏVANHOV
O instinto de criação está profundamente enraizado no ser humano.
Mas, se ele não tiver desenvolvido as faculdades que lhe permitem entrar em contacto com os mundos superiores, as suas obras serão apenas cópias, reproduções, e não verdadeiras criações.
Exactamente como quando os pais e as mães reproduzem as suas próprias fraquezas e deficiências nos seus filhos: mesmo que chamem a isso criação, na realidade é apenas uma reprodução.

A verdadeira criação faz apelo a elementos de natureza espiritual.
O artista que quer criar deve superar-se, isto é, deve elevar-se pela oração, pela meditação, pela contemplação até às regiões celestes, para aí captar elementos que utilizará no seu trabalho.
Será assim que as suas obras ultrapassarão o seu nível de consciência vulgar e merecerão verdadeiramente o nome de "criação".

OMRAAM  MIKHAËL  AÏVANHOV
Amai o Criador, Aquele que está na origem de toda a vida, e senti-l'O-eis manifestar-se através de cada criatura.
Será Ele, o Único, que vós amareis nelas, será Ele o Único, que satisfará as aspirações do vosso coração e da vossa alma.
Ao longo dos tempos, imensos homens e mulheres, cujas aventuras amorosas são relatadas, tiveram destinos trágicos, porque não compreenderam esta verdade!

Os seres de carne e osso que vós procurais e a cujo amor aspirais são apenas intermediários, condutores destinados a transmitir as energias divinas e, se quiserdes continuar a amá-los, pensai em restabelecer todos os dias o contacto com o mundo do Alto.
Não precisais de vos preocupar em saber quem ides amar nem por quem sois amados.
Amai Deus em primeiro lugar e Ele apresentar-se-á a vós, sorrir-vos-á e encher-vos-á de alegria através das suas criaturas.
Vós amá-las-eis e sereis amados por elas, porque amareis nelas a Divindade que as habita, e elas também descobrirão a Divindade através de vós.


OMRAAM  MIKHAËL  AÏVANHOV

PENSAMENTO QUOTIDIANO - 15.03.2016


 OMRAAM  MIKHAËL  AÏVANHOV
Por vezes, sem saberdes porquê, vós sentis, subitamente, uma alegria ou um desgosto.
Há várias explicações possíveis para isso, mas eu vou dar-vos uma na qual, certamente não pensastes.
Com certeza já vos aconteceu encontrar na rua um homem ou uma mulher que passa, cujo rosto atrai o vosso olhar e a quem enviais, espontaneamente, um pensamento, um raio de amor...
Essa pessoa nem sequer se apercebeu de que olhastes para ela, mas recebeu aquilo que lhe destes de bom através dos vossos olhos e captou os seus efeitos.

Quando vós sentis, subitamente, uma alegria, talvez tenha acontecido que uma entidade do mundo invisível, ao passar, vos olhou, projectando o seu amor para vós, e o vosso coração foi tocado.
Em qualquer lugar onde estejamos, encontramo-nos no meio de uma multidão de seres visíveis e invisíveis e recebemos ora coisas boas, ora coisas más, o que explica muitos dos nossos diferentes estados.

O sol que olha para nós em cada dia, também nos envia ondas vivificadoras.
E, como ele é uma imagem de Deus, o nosso sol espiritual, devemos tornar-nos conscientes de que, através dele, é Deus que nos olha.
Amar Deus é apresentar-se todos os dias perante Ele para receber o seu olhar.


Procurai, todos os dias, restabelecer o contacto com a nascente divina, para alimentardes a vossa própria nascente, aquela que corre em vós.
Fazei primeiro descer a água celeste ao vosso coração pelo amor, pois é pelo amor que o coração se purifica.
Depois, fazei-a descer ao vosso intelecto como luz.
Graças a esta luz, evitareis as armadilhas e os obstáculos, discernireis o caminho a seguir e avançareis por esse caminho.
Quando penetrar na vossa alma, essa água celeste dilatá-la-á até às dimensões do universo: transportareis todas as criaturas em vós, fundir-vos-eis na imensidão.
E, quando tiverdes conseguido fazer correr essa água no vosso coração, no vosso intelecto e na vossa alma, ela juntar-se-á de novo à Nascente Primordial, o vosso espírito.
Vivereis então, verdadeiramente, a vida divina, a vida divina que é omnipotência.


OMRAAM  MIKHAËL  AÏVANHOV
Muitas vezes, vós hesitais em manifestar a vossa bondade, pensando que ninguém apreciará o vosso gesto: os humanos são ingratos e até maus.
Por isso, não vale a pena fazer nada por eles.
Pois bem, essa é uma maneira de pensar muito perniciosa, pois paralisa-vos naquilo que tendes de melhor.
Fizestes bem a alguém e não só não fostes recompensados por isso, como até vos enganaram?
É possível.
Mas o vosso comportamento não tem de depender da atitude dos outros.
Fazei o bem e não espereis nada, contai unicamente com Aquele que vê tudo, que sabe tudo.
Só Ele pode apreciar as vossas ações boas e generosas.
Portanto, é d'Ele que virá a recompensa, e sob uma forma diferente daquela que esperáveis.
Talvez fiqueis com mais saúde, mais fortes, mais sábios, mais felizes.
Não será a melhor das recompensas?


OMRAAM  MIKHAËL  AÏVANHOV

Exibições: 564

Respostas a este tópico

Ele fala com tanta sabedoria e doçura- uma maravilha. Lindas imagens. obrigada.

Gratidão Sempre!

RSS

© 2017   Criado por Fatima dos Anjos.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço