OS ESTUDOS TEOSÓFICOS DE MME. H.P.BLAVATSKY

Informação

OS ESTUDOS TEOSÓFICOS DE MME. H.P.BLAVATSKY

Teosofia e Budismo. Teosofia Transcendental. Tetragrammaton. Os fundamentos de todo o conhecimento oculto, esotérico, místico estão aqui... Deseja saber o que é um CHELA? O que são os Teósofos? Confira e participe com seus textos, artigos, etc...

Local: Teosofia e Filosofia Oculta
Membros: 252
Última atividade: 27 Jun

PODEM OS MAHATMAS SEREM EGOÍSTAS?


H. P. Blavatsky

Can the Mahatmas Be Selfish?, Theosophist , Agosto, 1884

Em vários escritos sobre ocultismo, tem sido declarado que não-egoísmo é a condição síne qua non para o sucesso. Ou uma maneira mais correta de se colocar isso, seria o de que o desenvolvimento de um sentimento de não-egoísmo é em si um treinamento inicial que trás consigo "conhecimento que é poder" como um acessório necessário. Não é, dessa forma, "conhecimento", como comumente entendido, que o ocultista se empenha para conseguir, mas que chega a ele de uma forma natural, em conseqüência de ele ter removido o véu que esconde o verdadeiro conhecimento de sua vista. A base do conhecimento existe em qualquer lugar, uma vez que o mundo dos fenômenos fornece, ou antes, é abundante de fatos, cujas causas tem de ser descobertas. Nós vemos somente os efeitos no mundo dos fenômenos, pois cada causa nesse mundo é em si o efeito de uma outra causa, e assim sucessivamente; e, dessa forma, o verdadeiro conhecimento consiste em chegar à raiz de todos os fenômenos, e assim chegar a um entendimento correto da causa primária, a "raiz sem raiz ", a qual, por sua vez, não é um efeito.

Para se perceber qualquer coisa corretamente, pode-se usar somente aqueles sentidos ou instrumentos a que correspbndam a natureza daquele objeto. Assim, para compreender o numênico, um sentido numênico é um pré-requisito, enquanto que um fenômeno passageiro pode ser percebido pelos sentidos correspondentes à natureza daqueles fenômenos. A Filosofia Oculta nos ensina que o sétimo princípio é a única e eterna Realidade, enquanto o resto, pertencendo como pertencem ao "mundo das formas" que não são permanentes, são ilusórios no sentido de que eles são impermanentes. A esses é limitado o mundo fenomenal o qual pode-se tomar conhecimento pelos sentidos correspondentes a natureza daqueles seis princípios. Ficará assim claro que é somente o sétimo, que pertence ao mundo numênico, que pode compreender a Realidade Abstrata que subjaz a todos os fenômenos. Como esse sétimo princípio a tudo permeia, ele existe potencialmente em todos nós; e ele, que chegaria ao conhecimento verdadeiro, tem que desenvolver aquele sentido [numênico] nele, ou antes, ele tem que remover aqueles véus que obscurecem sua manifestação [do sentido numênico]. Todo sentido da personalidade é limitado a esses seis princípios inferiores, pois se relacionam somente com o "mundo das formas". Consequentemente, verdadeiro "conhecimento" só pode ser obtido rasgando-se todas as cortinas de Maya levantadas por um sentido de personalidade perante o Atma impessoal.

É somente naquela personalidade que está centrado o egoísmo, ou antes, esse último [egoísmo] cria o primeiro [personalidade] e vice-versa, desde que eles agem e reagem mutuamente um sobre o outro. Pois, egoísmo é aquele sentimento que procura o engrandecimento da personalidade egótica de uma pessoa pela exclusão das outras. Se, dessa forma, egoísmo limita a personalidades estreitas, conhecimento absoluto é impossível enquanto não nos livrarmos do egoísmo. Dado que, não obstante, estamos nesse mundo de fenômenos, não podemos nos livrar inteiramente de um senso de personalidade, ressaltando contudo que aquele sentimento pode ser no sentido de que nenhum engrandecimento pessoal ou ambição permaneça. Nós estamos, por nossa constituição e estado de evolução, colocados no "Mundo da Relatividade", mas como nós achamos que impessoalidade e não-dualidade é o fim último da evolução cósmica, temos que nos empenhar para trabalhar em conjunto com a natureza, e não nos colocarmos em oposição a seus impulsos inerentes que devem dirigir-se para tal. Opor-se a [natureza], é querer sofrer, desde que uma força mais fraca, em seu egotismo, tenta se colocar em posição de combate contra a lei universal.

Tudo o que o ocultista faz é apressar esse processo, permitindo que sua Vontade atue em uníssono com a Vontade Cósmica ou a Mente Demiúrgica, o que pode ser feito pela restrição bem sucedida da vã tentativa da personalidade em colocar-se em oposição ao primeiro [Vontade]. E desde que o MAHATMA não é senão um ocultista avançado, que tem até então controlado se "eu" inferior quanto a mantê-Io mais ou menos em completa sujeição ao impulso Cósmico, está na natureza das coisas impossíveis para ele agir de qualquer outra forma que não seja de uma maneira não-egoísta. Tão logo ele conceda o "eu pessoal" confrontá-Ia, então ele deixa de ser um MAHATMA. Aqueles, dessa forma, que estando ainda emaranhados na teia do sentido ilusório da personalidade acusam os MAHATMAS de "egoísmo" pela retenção de "conhecimento" - não levam em consideração a respeito do que estão falando. A Lei de Evolução Cósmica está sempre operando para alcançar seu propósito de unidade última e levar o fenomenal para dentro do plano numênico, e os MAHATMAS estando en rapport [em sintonia] com ele, estão dando assistência àquele propósito. Assim, eles sabem qual é o melhor tipo de conhecimento para a humanidade em um determinado estágio de sua evolução, e ninguém mais é competente para julgar essa matéria, desde que somente eles possuem o conhecimento básico que pode determinar o curso correto e exercer discernimento apropriado.

Para nós que estamos ainda lutando no terreno escorregadio dos sentidos ilusórios, ditar que conhecimento os MAHATMAS devem repassar para nós e como eles devem agir, é como um menino de rua [sem qualquer instrução] ter a presunção de ensinar ciência ao Prof. Huxley ou política ao Sr. Gladstone. Pois, ficará evidente que, tão logo o menor sentimento de egoísmo tente se colocar contra si próprio, a visão do sentido espiritual, que é a única percepção do MAHATMA, torna-se nublada e ele perde a "poder" que somente o "conhecimento" abstrato pode conferir. Por essa razão, temos que observar constantemente com vigilância a "Vontade" para exercer e evitar que nossa natureza inferior venha até a superfície, o que ela faz em nosso presente estado ainda não desenvolvido; e assim extrema atividade e nenhuma passividade é a condição essencial com a qual o estudante tem que iniciar. Primeiro sua atividade é direcionada para obstar as influências de oposição do "eu inferior'; e, quando isto for conquistado, sua Vontade centrada no seu mais alto "eu" (real), continua a trabalhar mais eficazmente e ativamente em uníssono com a ideação cósmica na "Mente Divina".

Tradução: João Baptista Neto, MST – Jina - Rio de Janeiro - Novembro, 2001.




Curso Introdutório à Teosofia


O professor titular, de origem chilena, Enrique Renard é o autor deste curso, baseando-se no Curso Básico de Teosofia de Emogene Simmons, acrescentou cinco lições a mais, formando um total de 14 lições.

E eu simplesmente, trarei a vocês este curso – traduzido para o Português. O interessante é que ao final de cada lição, teremos algumas perguntas para que o discípulo interessado possa refletir a lição dada e, obviamente, tentar responder ou trazer as suas dúvidas para o grupo. Por ser a Teosofia uma disciplina complexa, este Curso pretende simplificar, porém não se trata de reduzi-la ou transformá-la em outra coisa... Mas, tão-somente, facilitar o entendimento dos conceitos teosóficos fundamentais. Vejamos se isto – realmente – será possível e prático!

“Sua simplicidade o faz essencial para aquele que se inicia neste apaixonante mundo, antes de entrar no estudo de outros livros teosóficos mais profundos, como os livros - “ISIS sem Véu” ou “A Doutrina Secreta.”

Estrutura das Aulas

Prólogo: Bases Fundamentais da Ciência Oculta

1- O Plano Divino
2- Os Corpos sutis do ser humano
3- Vida depois da Morte
4- A Reencarnação
5- O Karma
6- A Fraternidade Branca
7- A Doutrina dos Ciclos
8- O Duplo Etéreo
9- O Corpo Astral
10- O Plano Mental
11- O Poder do Pensamento
12- A Questão do Mal
13- O Reino Dévico
14- A Fraternidade Universal

PERGUNTAS E RESPOSTAS


Interessa?
Bjs e Flores,

Fórum de discussão

H. P. BLAVATSKY - Documentário Biográfico

Iniciado por Verônica D'amore. Última resposta de Roberto Ferraz Silveira Junior 31 Jan, 2016. 2 Respostas

Caixa de Recados

Comentar

Você precisa ser um membro de OS ESTUDOS TEOSÓFICOS DE MME. H.P.BLAVATSKY para adicionar comentários!

Comentário de Wanderley Cardoso Marques em 7 novembro 2009 às 8:02
Obrigado pelo convite, querida Verônica, aceito e peço que me inclua entre os que pretendem fazê-lo. Um beijo no teu coração!
Comentário de Soneli Gonçalves de Souza em 7 novembro 2009 às 1:58
Obrigada pela oportunidade, já li algumas coisas de
Blavatsky, e sempre quis participar de um estudo para compreender e crescer atavés desta fonte grandiosa de ensinamentos.
Conte comigo. De alguma forma eu sempre esperei por este momento. Obrigada!
Comentário de AWVATRIZ em 1 outubro 2009 às 12:50
Faço Curso de Filosofia na Nova Acrópole! Lá estudamos muito H.P Blavatsky! Já li A voz do Silêncio e pretendo ler outros livros dela.
Comentário de ॐMaria Elisete em 29 julho 2009 às 1:52


FRASE DO DIA
HELENA PETROVNA BLAVATSKY


O homem físico é apenas o mais elevado desenvolvimento da vida animal.


Ísis Sem Véu I, 3 27
Comentário de Verônica D'amore em 16 junho 2009 às 19:10
Iniciação Humana e Solar
Por Mestre Tibetano Djwhal Khul
(Alice A. Bailey)


O Senhor Buda expressou que:

Não temos de crer no provérbio, simplesmente porque foi dito; nem nas tradições, porque têm sido transmitidas desde a antigüidade; nem nos rumores; nem nos escritos dos sábios, porque têm vindo deles; nem nas fantasias, que se supõem ter sido inspiradas por um deva (quer dizer, uma suposta inspiração espiritual); nem nas deduções baseadas em alguma suposição casual; nem pelo que parece ser uma necessidade analógica; nem pela mera autoridade de nossos instrutores ou mestres, mas devemos crer quando o escrito, a doutrina ou o provérbio, está corroborado por nossa própria razão e consciência. Por isso, ensinei a não crer no que ouvem dizer, mas que, quando o crêem conscientemente, atuem de acordo e plenamente.
A Doutrina Secreta, T.VI.p.49


PRÓLOGO

O tema que se refere à Iniciação exerce um grande fascínio sobre os pensadores de todas as escolas de pensamento e até aos céticos e aos dispostos à crítica, quiseram crer na possibilidade desta realização final. A quem não crer que tal meta é possível, oferecemos este livro por seu valor e por sua formulação de uma interessante hipótese. Àqueles que esperam tal consumação de todos seus esforços oferecemos este livro com a esperança de que lhes sirva de inspiração e ajuda.
Os pensadores ocidentais da atualidade sustentam uma enorme diversidade de pontos de vista sobre este transcendental tema. Alguns crêem que não é de suficiente importância imediata para merecer sua devida atenção, e que se o homem comum segue o caminho do dever e o presta atenção a todos seus problemas, com a mente elevada, chegará ao destino. Sem dúvida alguma isto é verdade; não obstante, à medida que a capacidade de servir aumenta e o desenvolvimento dos poderes que devem empregar para ajudar a raça, constituam a recompensa do homem disposto a realizar o maior esforço e a pagar o preço que demanda a iniciação, talvez este livro sirva a alguém de incentivo para a realização, que de outro modo fosse para a sua meta lentamente e a deriva. Assim chega a ser portador e não o que recebe ajuda.
Outros consideram errônea o ensinamento exposto nos distintos livros que tratam o tema da iniciação. A iniciação tem sido apresentada como algo fácil de conseguir e qie não exige tal retidão de caráter como se tem acreditado. Os seguintes capítulos demonstram que a crítica não é imerecida. A iniciação é muito difícil de conseguir, exige a estrita disciplina da inteira natureza inferior e uma vida de renúncia e de abnegada devoção. Também deve ter-se presente que o ensinamento primitivo é correto em sua essência, ainda que limitada em sua interpretação.
Ainda existe quem se interesse nisto, mas consideram que as possibilidades implicadas são demasiado avançadas para eles e que não devem tratá-las nesta etapa de sua evolução. Este livro intenta pôr de manifesto que aqui e agora, o homem comum pode começar a desenvolver o caráter e assentar as bases do conhecimento necessário para obter a devida preparação, antes de poder trilhar o caminho do discipulado. Desta forma, todos os homens e mulheres, se o desejam, podem recorrer o caminho de provação a fim de preparar-se para o discipulado.
Centenas de pessoas, no Oriente e Ocidente, avançam para esta meta e na unidade do único ideal, em comum esforço e aspiração, se reunirão ante o único portal. Então, se reconhecerão como irmãos, separados só pelo idioma e a aparente diversidade de crenças, mas tendo fundamentalmente a mesma e única verdade e servindo o mesmo Deus.


ALICE A. BAILEY

New York, 1922.
Comentário de Verônica D'amore em 16 junho 2009 às 19:07
Juan Gui escreve que o que devemos, em primeiro lugar, considerar como leitura anterior a da “A Doutrina Secreta” é adquirir uma compreensão dos “Três Princípios Fundamentais” oferecidos no “Proêmio”. E isto, diz ele, já é bem difícil pode demorar anos...

Para todo estudo teosófico, então, seguem os princípios fundamentais:

1 - Um princípio onipresente ilimitado e eterno, mais além do alcance da palavra e o pensamento-impensável e inefável;

2- A eternidade do universo como uma abstração fixa, com aparições e desaparecimentos periódicos da manifestação objetiva, como um fluxo e refluxo das marés, coexistente e em certo sentido idêntico com o princípio único;

3 – A unidade de todas as almas com a suprema ou raiz desconhecida e a contínua transmigração de cada raio da luz infinita única de acordo com a lei cíclica e kármica.

(Juan Gui; Namaste)

bjs e flores, Verônica.
Comentário de Francisco Moniz em 16 junho 2009 às 10:53
Obrigado Maria Manu por você esta aqui entre nos.
Beijos e Paz Profunda.
Francisco Moniz.
Comentário de Francisco Moniz em 16 junho 2009 às 10:42
O objetivo de todo discípulo adiantado é cumorir sua tarefa e estar em contacto com o centro de força espiritual que é seu grupo e assim em firme contacto com o Mestre, sem entrevistas e contactos fenomênicos. Muitos contam ter o contacto com seus mestres somente uma vez ao ano, habitualmente ao tempo da lua cheia de Maio.
1 - A etapa na qual um discípulo recebe contacto do Mestre atraveés de um outro CHELA no plano físico. Esta é a etapa do "Pequeno período de chela"
2 - A etapa na qual um discípulo mais elevado dirige o CHELA para fora do nível egóico. Esta é a etapa chamada "Um CHELA Na LUZ"
3 - A etapa na qual, de acordo com a necessidade, o Mestre entra em contacto com o CHELA.
PAZ PROFUNDA À TODOS.
Francisco Moniz.
Comentário de drica pedrosa em 15 junho 2009 às 0:47
Muito obrigada pelo convite e agradeço imensamente por ajudar-me a crescer.
Namastê.
Comentário de VALNIL 49 em 13 junho 2009 às 22:37

 

Membros (251)

 
 
 

© 2017   Criado por Fatima dos Anjos.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço