A solidão que se sente quando os olhos se abrem para o que se esconde por detrás do mundo é uma condição natural da pessoa desperta. Percebe-se que não se pertence mais àquele mundo de outrora que persiste em permanecer adoentado, assim como a pessoa fora também.

O mundo é um grande hospício e você fazia parte dos adoentados. Quando despertou, percebeu que não estava mais doente, todavia ainda preso ao hospício do mundo, cercado por tantas pessoas vivendo uma ilusão coletiva. Nasceu então o sentimento de se estar vivendo num aquário.

A princípio o corpo é tomado de uma empolgação abrasadora e surge a vontade de dizer a todos os loucos do hospício que o mundo não é aquilo, que há mais coisas lá fora, que estão controlando a todos, que os personagens que representam não são verdadeiros, que cada um é mais do que aparenta ser... Mas ninguém lhe dá ouvidos.

Percebendo então que os esforços de acordá-los para a realidade são inúteis, a tristeza o acomete. A solidão então lhe abraça de tal forma que beira ao desespero. Você não pertence mais àquele hospício, porém não pode sair de lá sozinho. Para escapar há apenas duas opções: morto ou através da união de todos os internos. E ao pensar nisso, você se irrita como fazia antes de acordar. Irrita-se, pois não quer mais viver neste lugar de loucos, mas depende destes para sair.

Os loucos passaram a olhá-lo de maneira estranha, pois você se deslocou do mundo deles, parecendo diferente, esquisito, louco (a loucura para o louco é a sanidade alheia). Mas ao verem-no com tanta irritação, logo percebem que você ainda é o mesmo, ainda pertence ao grupo, ainda é refém de si próprio.

E você, em toda a sua angústia, se pergunta:

- Como posso continuar vivendo neste lugar, cercado dessa gente toda que não sabe o que está acontecendo? Como posso suportar?

Você tinha vozes na sua cabeça antigamente. Vozes que o instigavam, o irritavam, o assustavam, o castigavam e o insultavam. Ao despertar, você abriu um novo canal para uma voz que não vem da cabeça, mas do coração. Essa voz é o que você realmente é, e ela sempre lhe diz o que é mais correto a se fazer. Todavia, por ficar ainda querendo respostas prontas, você nunca conseguiu ouvi-la.

Se prestasse atenção ela diria algo mais ou menos assim:

- Não tenha mais medo. Você conhece a verdade, então por que ainda teme? Por que ainda sente raiva e frustração? Por que ainda mantém os velhos vícios mentais? Agora que você sabe uma parte da verdade é tempo de pôr em prática a sua sanidade real, a sua consciência verdadeira.

- Os loucos são seus irmãos, iguais a você, por isso não os despreze, não os julgue, não os odeie. Assim como ocorria com você, eles não sabem o que fazem. Estão adoentados, portanto não aprendem de maneira direta. Eles aprendem através do exemplo, e se vier junto de atitudes amorosas, aprenderão ainda mais rápido. E é isso que você deve fazer: servir de exemplo.

- Não queira abraçar todos ao mesmo tempo, você é somente um. Faça pequenas coisas e não se preocupe com mais nada senão consigo mesmo. Você despertou, mas ainda mantém vários resquícios da doença de outrora, e isso sim precisa ser trabalhado. Concentre-se nisso, pois é o que mais importa. Uma vez melhorando a si mesmo, aos poucos os outros irão espelhar-se, pois a verdade sempre faz sentido, não importa o nível de loucura.

Então, ouvindo essa voz que vem do seu âmago, você compreenderá que não precisa lutar, não precisa forçar, não precisa se desesperar. Você está cercado de adoentados, portanto aprenda a conviver com eles de forma amorosa e desprendida. Não precisa fingir nada, mas também não precisa impor nada.

Apenas seja o melhor que puder ser e compartilhe isso com as outras pessoas.


Marcos Keld
Autor do Livro Potencialidade Pura

Exibições: 319

Comentar

Você precisa ser um membro de Portal Arco Íris-Núcleo de Integração e Cura Cósmica para adicionar comentários!

Entrar em Portal Arco Íris-Núcleo de Integração e Cura Cósmica

Comentário de Domingos Savio Carrilho de Morai em 18 outubro 2011 às 21:04
Excelente texto; uma ótima orientação. Amor, amor, amor, sempre!!! Obrigado.
Comentário de fatima zaghetti em 18 outubro 2011 às 15:34
Foi a resposta que eu precisava ter.MUITO OBRIGADO!!!!!!Me sinto bem melhor agora.
Comentário de Elisangela M. Soares em 18 outubro 2011 às 11:57

Eu sempre me senti sozinha e as vezes muito triste

pela vida,mas agora já sei como agir.Obrigada pela

partilha esse texto é maravilhoso.Namastê...

Bjs de luzzzzz

Comentário de AlessandraSanan em 17 outubro 2011 às 10:44
Comentário de Flávia Braga em 17 outubro 2011 às 4:19
Pensei que fosse só eu,mas é difícil.
Comentário de Simone Santos em 17 outubro 2011 às 3:37
Muito lindo e verdadeiro esse texto. Há momentos em que me sinto dessa forma que o texto retrata. E seguido desses sentimentos, vem a solidão, a tristeza, a depressão de não conseguir entender a loucura do mundo... Mas agora já sei, vou tentar não me sentir mais assim. Beijos de Luz.
Comentário de Monica Marchioro Milietti em 16 outubro 2011 às 20:48
Despertar é só o primeiro passo da jornada! É sair do casulo, porém as asas ainda estão amarrotadas é preciso aprender a voar com confiança, alegria e amor, assumir quem se É, é vital para alçar vôo pleno e então atingir altitude de 33mil pés, vôo cruzeiro...
Comentário de Gerson José G. de Alencar em 16 outubro 2011 às 20:37
UM DIA TODOS DESPERTAREMOS, E SEREMOS UMA GRANDE MULTIDÃO; CREIO QUE TODOS OLHANDO NA MESMA DIREÇÃO; EM DIREÇÃO DE UMA AURARA INDIZÍVEL, E ENTÃO, ADEUS LOUCURA.
Comentário de angela maria di leo em 16 outubro 2011 às 17:33
que lindo, adorei, saber e aprender tantas coisa, isso foi muito importante para mim e todos que lerem, obrigada por tntas coisas maravilhosas que me mandam
Comentário de Vera Marcia Wurmath em 16 outubro 2011 às 16:56
Digo o mesmo que a Tais.....é exatamente o que estou vivendo.....obrigada por partilhar.

© 2017   Criado por Fatima dos Anjos.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço