A Criação não tem apegos, nem mesmo a si. Ela é abundante em gerar, mas também em destruir, pois não necessita realimentar-se daquilo já criado, uma vez que é constante e sempiterna. O ato de continuar a afirmação do que já está consumado gera permanência e, por conseguinte, conflito. E disso a Criação não sofre.

O ser humano então, como uma personificação da própria Criação, se deseja experienciar a vida de maneira abundante e liberta, deve agir em total desprendimento com relação a si mesmo e à sua segurança. O falso eu é parte de sua criatividade, portanto está consumado.

Comumente costuma-se afirmar de maneira persistente a existência do ego, mesmo através da negação. Em ambos os casos, na afirmação ou na negação, há uma realimentação da existência do falso eu, ainda que sendo subjetiva e não alheia ao próprio Ser. Logo, o falso eu se fortifica, mas em contrapartida o Eu Profundo se enfraquece, pois se afasta do centro.

O ego então não deve ser levado tão a sério. Sendo uma cria, deve-se deixá-lo como está, lançado à sua própria sorte, pois esse é o caminho da transformação pessoal e profunda. Dando-se atenção ao ego, de forma positiva por meio do egocentrismo, de forma negativa por meio do combate interior, ele perseverará.

Torne-se então alheio ao ego para que possa refreá-lo. Apenas no desapego a respeito de si mesmo é que o falso eu irá aos poucos deixar de estar presente. Logo, ele tornar-se-á impermanente, assim como todos os frutos da Criação. Uma vez que o Caminho é desprendido, assim deve ser também o homem.

Tudo o que permanece é inconstante, pois estanca. Tudo o que impermanece é constante, pois se move e se transforma. Assim é o Universo, assim é a Fonte, assim deverá ser aquele que anseia por liberdade.

Levar-se a sério é o caminho da permanência. Não há progresso, pois o espírito pára e a matéria trava no psiquismo adoentado de outrora. Isso leva à prisão física. Logo, mesmo após a morte, há a permanência do ego e isso impede que o Ser procure novos ares, voltando ao ciclo da inconstância, do renascer inconsciente. Há então aqui um grilhão impedindo a verdadeira liberdade espiritual.

Superar a si mesmo é tornar-se incerto, espontâneo e desprendido. Esse é o caminho para a libertação das correntes físicas e da ilusão pessoal.

Marcos Keld

Fonte: Potencialidade Pura

Exibições: 211

Comentar

Você precisa ser um membro de Portal Arco Íris-Núcleo de Integração e Cura Cósmica para adicionar comentários!

Entrar em Portal Arco Íris-Núcleo de Integração e Cura Cósmica

Comentário de Marcelo Alexandre Russo em 1 março 2012 às 13:27

Show de bola, irmão. Valeu!!!

Comentário de fatima zaghetti em 29 fevereiro 2012 às 10:48

MUITO OBRIGADO.

Comentário de Maria Lurdes Vila Viçosa Maneta em 29 fevereiro 2012 às 10:27

Potencialidade pura, amei a mensagem, Ser e não-ser, forças que se querem equilibrar na harmonia dos contrários.

Estou muito reflexiva sobre esta dissertação, obrigada!

Lurdes

© 2017   Criado por Fatima dos Anjos.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço